Blog Verde Alface

Um blog que se quer fresco e leve... Como uma alface!

sexta-feira, outubro 29, 2004

Hoje comecei muito mal o dia. Depois de ter deixado a miúda na escola, o carro empanou! Os carros que estavam atrás (por verem uma mulher ao volante, claro) não paravam de buzinar, e de gritar "Tira daí o carro!", o que me enervou ao ponto de me pôr a chorar. Lá esperei um bocado com o carro a trabalhar, experimentei arrancar - o carro andou. Mas era muito perigoso porque ía abaixo nos cruzamentos, e sempre que eu arrancava. Consegui levá-lo até à oficina, onde foram muito prestáveis. Trocaram uma peça. Só por isso, desembolsei 40 €, o que, para quem estava já quase desesperada com falta de dinheiro, foi a gota de água!

Olá!!

Hoje, mal cheguei, abri a net e.... Voilá! Parece-me que estou de volta!

quinta-feira, outubro 28, 2004

Milagre!!!!

Eu nem acredito que tenha conseguido abrir a página do blogger!
Não tenho tido net e, por isso, nem consigo visitar os "meus" blogs... Já estou cheia de saudades de vos ler, e de escrever, claro!
Até aposto que este post nem vai ficar publicado e, se ficar, vai sair em triplicado! Bem, é melhor que nada...

quinta-feira, outubro 21, 2004

Ó minha Estrunfina adorada, mais uma vez te pergunto porque é que não deixas o Sapo?? É que nem dá para comentar no teu blog.
Assim, tenho que aproveitar para agradecer aqui o lindo bilhete que me escreveste e dizer-te, carinhosamente:
"NÃO SOU NADA PARECIDA COM A VICKY DO BARCO DO AMOR!!!"

É verdade...

Como certas personagens nos fazem lembrar de alguém, Estrunfininha...


Parabéns Registada!



Um dia muito feliz...

Falei cedo demais...

Agora abro os blogs (nem todos), mas não abro Google's e companhia...

Já consigo entrar na net! Iupi!

Is there anyone out there?

Continuo sem internet aqui no trabalho - agora sim, sinto falta de tê-la em casa! De vez em quando lá consigo entrar no Google, ou mesmo aqui no Blogger (como agora), mas as páginas abrem de uma forma incompleta e rudimentar, depois de me pedirem 300 vezes a palavra passe para a firewall. Nem consigo espreitar os "meus" blogs (como era hábito logo de manhã), e não sei o que se anda a passar connvosco... Estou completamente isolada da blogosfera! HELP!

quarta-feira, outubro 20, 2004

Que m**da! Já não bastava não ter computador em casa, agora instalaram uma porcaria de uma firewall aqui no trabalho, que não me deixa aceder nem mesmo ao meu blog! F**a-se!

terça-feira, outubro 19, 2004

Parabéns mãezinha!



És uma mãe maravilhosa! Sei que não vais ler isto, mas não faz mal - já to disse à meia noite. Tenho muito orgulho em ser tua filha, e quero que sejas muito feliz.

Parabéns filhinha!



E parabéns também a mim, que sou uma mãe babada...

sexta-feira, outubro 15, 2004

Cheguei ao fim da linha...

... Vou descer.


A má disposição voltou

Tenho um nó na garganta, o coração apertado, e parece que tenho a cabeça dentro de um aquário.

Vai um cafézinho?

Clica aqui, que pago eu!

ANORMALidades...

Tenho uma amiga cujo filho sofre de um síndrome raro. Não me lembro do nome, sei que começa com um "K", mas manifesta-se através de uma assimetria bastante notória dos dois lados do corpo, tanto a nível externo, como a nível dos órgãos internos. O rapaz já tem 16 anos e, como devem calcular, a sua vida não foi, nem é, fácil. Sofreu todo o tipo de humilhações por parte dos colegas, foi posto de parte, não tem amigos (as crianças conseguem ser muito cruéis). Também a mãe dele, a minha amiga, sofre com esta situação.
Ele andava queixoso, já há alguns dias, de um joelho e, quando as dores se tornaram insuportáveis, a ela levou-o ao Hospital - o de Cascais. Quando entraram para o gabinete onde o médico os aguardava, e ao contrário do "boa noite, do que se queixa?", que seria de esperar, o médico , depois de olhar de relance o rapaz, dispara com esta frase:
"Ele é ANORMAL mais em quê?". Isto à frente dos dois. Se a mãe sofreu com esta pergunta (chorou 2 dias), imaginem o rapaz, que lutou toda a vida para que o aceitassem como os outros.
A conclusão que retiro disto é que, para além de anatomia e outras coisas do género, os estudantes de medicina deveriam ter uma disciplina sobre sensibilidade, humanismo, altruísmo... É que, muitas vezes, sentimo-nos tratados como simples papéis, nos hospitais...
Apetece-me dizer: "Senhor Doutor, ANORMAL é você!!"

quinta-feira, outubro 14, 2004

4 perguntas traiçoeiras, habituais nas mulheres, e as respostas correctas:

E todas nós sabemos do que estou a falar, não é?

1 - "No que é que estás a pensar?"
A resposta correcta é, como não podia deixar de ser, "Desculpa, estava aqui num momento de introspecção, meu amor. Estava a reflectir sobre o como tu és uma mulher carinhosa, atenciosa, inteligente, maravilhosa, bonita e na sorte que eu tenho por te ter conhecido."
Claro que esta resposta não é nada parecido com aquilo que estávamos a pensar, que era algo como futebol, a miuda da papelaria, algo que ficou por fazer no emprego, ou quanto nos vai custar o arranjo do carro.

2 - "Amas-me?"
A resposta correcta é "sim". Para os que acabaram de fazer merda a resposta é "claro que sim meu amor."
Nunca responder com frases do tipo:
-"Acho que sim"
-"O que é que isso interessa agora?"
-"Quem, eu?"

3 - "Pareço-te gorda?"
A resposta correcta é "claro que não te acho gorda" seguida de uma batida em retirada estratégica.
Respostas erradas são todas as parecidas com:
-" Não te acho gorda mas também não és magra"
-" Comparada com quem?"
-" Já vi mais gordas."

4 - "Achas que ela é mais bonita que eu?"
"Ela " pode ser uma ex-namorada, uma gaja que acabou de passar ou uma actriz na televisão. De qualquer modo a resposta terá de ser sempre: "Nã...tu és muito mais bonita".
Por favor nunca responder:
-"Não és mais bonita, és bonita de maneira diferente"
-"Sim mas o que me interessa é o interior das pessoas"
-"Só porque ela é mais novinha"

Já estou mais bem disposta... Fui almoçar com a I., que apareceu cá, de surpresa. Uma pizza para as duas!

O tempo está como eu...

... e eu estou como o tempo.


quarta-feira, outubro 13, 2004

Que grande lata!

Hoje fui almoçar uma sopinha com uma amiga. Durante o tempo em que lá estivémos, entraram: um rapaz (por sinal lindíssimo) a vender o almanaque Borda d'Água, uma rapariga muito suja a vender a revista Cais e, finalmente, outro rapazito que não devia muito à limpeza a vender essa mesma revista. Este último, ao contrário dos anteriores, não se retirou após o nosso "não, obrigada". Ficou e, muito baixinho, insistiu para que lhe comprássemos a revista. Como já não lhe ligávamos, pediu para lhe darmos uns trocos para comer. A minha amiga, já impaciente, disse-lhe:
"Olhe, dinheiro não lhe dou, mas posso pagar-lhe uma sandes ou um bolo....", ao que ele respondeu "Então quero um bitoque...". "UM BITOQUE??!!", exclamou a minha amiga, já danada, "Então eu estou a comer só uma sopa porque não tenho dinheiro, e vou pagar-lhe um bitoque??! Pago-lhe só uma sandes!". Ele lá aceitou (ainda parecia que lhe estava a fazer um favor). Enquanto esperava pela sandes virou-se para mim e disse: "Quero um sumo. Pague-me lá o sumo...". Claro que não lhe paguei o sumo, e disse-lhe aquele sermão da "vida custa a todos". Virámos as costas e ouvimo-lo a mandar-nos para todo o lado (incluíndo para a vagina da nossa mãe e o pénis sabe-se lá de quem!).

Tens um Q.I. acima da média?

Clica aqui e descobre. Se encontrares os 3 erros da foto em menos de 1 minuto, és um cérebro andante. Mas, atenção: terás que ter um cérebro activo e um coração calmo... Não me responsabilizo. BIFINHA, tu não fazes este teste!

Ivete

Ontem fomos ao Colombo comprar os bilhetes para o concerto da Ivete Sangalo no Pavilhão Atlântico, dia 30. Foi a I. que NOS ofereceu essa noite. Já sei que vai ser uma noite de sofrimento porque ela é fascinada pelas pernas dessa senhora... Ai!

terça-feira, outubro 12, 2004

Hoje a Ana fala-nos de uma criança atropelada, da nossa impotência perante estas situações. De facto, e tal como comentei no seu blog, só quando a desgraça passa pertinho de nós é que nos apercebemos que também somos alvos. Crescemos a pensar que somos imortais - nós e todas as pessoas que nos estão próximas. Lembro-me de passar na ponte 25 de Abril e sentir medo que esta caísse. Mas, logo de seguida, ficava descansada a pensar que seria impossivel a ponte cair no exacto momento em que a minha familia estivesse a passar por ela! É a tal história do "só acontece aos outros". Mas não. Pode acontecer a qualquer um de nós. E só quando acontece é que nos apercebemos de quão pequeninos somos, de quão insignificantes somos - de quão iguais somos.

Morreu o Super-Homem...

... e acabou a sua corajosa luta por recuperar, não os super-poderes, mas um poder simples: o de andar. Ironicamente.

Saudade

São para ti. Rosas vermelho-sangue, as tuas preferidas. Faz hoje 9 anos que foste embora, sem avisar. Não nos despedimos. Não houve tempo. Ficou tanto por dizer, tanto por fazer...
A tua imagem vai-se desvanecendo, os teus traços já não são nítidos. Fica o sorriso - esse nunca se apaga. Como a tua essência...
Acredito que estejas num lugar bonito, a fazer coisas bonitas. Acredito que guardes aí um cantinho para mim. Foste tu que me ensinaste a acreditar...
Tenho saudades tuas!

segunda-feira, outubro 11, 2004

Rótulos...

Há pouco esteve aqui uma colega e amiga de há muitos anos, à conversa comigo. Às tantas, pergunta-me se eu conhecia as "Aromas", uma girls band qualquer que actuou ontem à noite no Herman. Como eu não tinha visto o programa, ela explicou-me que duas delas seriam lésbicas. "Que horror!", dizia, "estavam de mão dada e tudo! Só faltava beijarem-se na boca! Que nojo! Estava a fazer-me uma impressão...". Mantive o silêncio. Uma outra colega, que estava a ouvir a conversa, perguntou: "Elas até são bonitinhas, não são?". "São!", responde a primeira. "São bonitas e femininas!! Não parecem nada homens!".
Meio a medo disse-lhes: "Isso não quer dizer nada...". "Oh!" - retorquiram - "As lésbicas parecem todas homens! Aquelas não devem ser! Aquilo é só para vender! Faz-me confusão é como é que alguém se sujeita a figuras daquelas para vender... Agarrada à outra..."

Fiquei triste. Mesmo muito triste.

Serão as bagagens do José Castelo-Branco?


Burros falantes

"Também devíamos ter um burro daqueles que falam, aqui!", diz a minha colega. Oh rapariga! Achas que temos cá poucos burros a falar?? E pior: É que são burros armados em espertos!


Para quem não sabe...

... a Natália Verbeke, a tal da mala, é uma actriz argentina a trabalhar em Espanha. Aqui está ela (sem a mala, claro):




Há lá coisa mais estúpida...

... que os anúncios a pensos higiénicos?? Já foi a mala da Natalia Verbeke, as meninas de tanga, a outra a fugir da menstruação na escola... Agora é a menstruação a fazer uma grande bola de sabão, que é rebentada corajosamente por uma menina que, pelos vistos, e ao contrário do que seria de esperar, adora estar com o período... Oh, santa paciência! Pior que isto, só mesmo o bando de galinhas (roubei esta expressão à aNa) que prefere o Xau!


Confesso...

... que sim, que gosto. Confesso que me divirto a valer com estas cromos... Confesso que, finalmente, e depois de muito tempo, encontrei um programa que me faz arrumar a cozinha a correr para me ir sentar no sofá.


sexta-feira, outubro 08, 2004

Sou parecida com a Britney!!!

Estou tão contente hoje! Sinto-me quase uma estrela! Então não é que descobri que sou parecida com a Britney? Sim, temos uma coisa em comum: ambas temos celulite! Estou tão emocionada...


Descobertas...

"Mãe, aprendi que a Terra anda à volta do Sol!!" - diz-me ela, eufórica. Agora vai ter, de certeza, uma descoberta todos os dias... Acho tudo isto tão engraçado! Tenho a impressão que vibro mais do que ela, com o começo da escola...

quinta-feira, outubro 07, 2004

Vou a caminho da tortura...

Amores precoces

Ainda há 2 dias começou a escola, e já anda a partir corações. Falo da minha filhota, claro. Este fim de semana caíu-lhe um dos dentes da frente. Fica muito cómica, e eu não consigo parar de rir quando a vejo sorrir.
Ontem perguntou-me porque razão eu me ria. Respondi-lhe: "É porque ficas muito engraçada sem o dente...". Ela, muito calmamente, diz-me:
"Pois, mas os meninos gostam de mim mesmo sem o dente... Mãe... Vou contar-te uma coisa..." - estava visivelmente embaraçada - "... Sabes aquele menino que está sentado numa carteira perto da minha?" - disse-lhe que sim, apesar de não fazer ideia de quem seja - "Esse menino ontem estendeu-me a mão, e eu fiz-lhe assim" - o assim é uma piscadela de olho - "Depois ele pegou-me na mão e deu-me um beijinho!" esta narrativa vinha acompanhada de muitos "Ai meu Deus", envergonhados, pelo meio.
Ai meu Deus digo eu, porque ainda a procissão vai no adro! Tenho a impressão que esta miúda me vai dar água pela barba!

Nem tudo é mau...

Não podemos só dizer mal. Importa referir também o que funciona bem. O Centro de Saúde da Parede deve ser dos melhores Centros de Saúde do país. Talvez tenha tido sorte no médico de família que me foi atribuído, mas o facto é que sempre fui bem atendida, sem ter que esperar eternidades. Se necessito de uma consulta de urgência, atende-me no próprio dia, praticamente à hora marcada. As fucionárias são prestáveis, e fazem o seu trabalho da melhor forma que podem. 4 estrelas!! (não digo 5, porque há sempre alguma coisinha que falha, claro).

E assim vai a nossa saúde...

Fui ao oftalmologista com a miúda ontem. Era uma oftalmologista. Horrorosa! Depois de chamar às 3 pessoas de cada vez para a porta do gabinete, deixava entrar uma a uma, enquanto as outras especavam-se em pé, cá fora, à espera. Mas não se esperava muito, porque cada consulta demorava apenas uns míseros 5/10 minutos (!!).
Lá chegou a nossa vez. Entrámos, e quando me ía a sentar na cadeirinha habitual em frente da secretária da doutora... Nop! Não havia cadeirinha! Estava arrumada estratégicamente contra a parede, para que ninguém lhe fizesse perder minutos do seu precioso tempo a olhar para a sua cara! Assim, tive que olhar para a sua cara, mas sempre de pé, o que me fazia sentir muito desconfortável, e quase que perdida.
A consulta foi feita meio a correr. Muitas perguntas, das quais nem ouvia metade das respostas. Assim que eu começava a frase, interrompia a meio, já satisfeita com as primeiras 2 palavras, o que fazia com que, invariavelmente, tivesse que as repetir mais tarde.
Primeiro diagnóstico: "Ela tem um bocadinho de graduação... Pode ser que não precise, por enquanto de correcção...". Entretanto, mais uns 2 testes. Segundo diagnóstico: "Ela tem uma visão muito boa." Fiquei a acreditar no segundo - sempre poupo dinheiro em óculos!
"Ela precisa de umas gotas de dilatação, para se ver melhor...", disse. "Mas vamos ter que aplicá-las cá, porque tem que se esperar 1 hora para fazer efeito, e vai ver mal durante uns dias... Marque lá fora para quando houver vaga." Isto tudo não durou mais que 10 minutos. Despedi-me com um "obrigada e boa tarde", sem qualquer resposta.
A ver mal fiquei eu, quando tentei marcar a consulta seguinte! Já não têm vaga para este ano, e só posso marcar a consulta (para o ano que vem, claro) durante o próximo mês!
Ah! Esqueci-me de dizer que isto tudo se passou num hospital público.

quarta-feira, outubro 06, 2004

Tenho saudades de ver o mar assim.


Tudo começou...

... há 17 meses, com uma noite imaginada aqui.




sexta-feira, outubro 01, 2004

1º dia de escola!!

E pronto! Já deixei a minha filhota na escola. Ela estava muito envergonhada. Emocionei-me um bocadinho, mas agora estou eufórica. Sinto-me tão feliz por já ter uma filha na escola!





Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com